Resumo de texto: tarefa impossível – Reflexões sobre uma aula e outras aulas

Resumo de texto: tarefa impossível – Reflexões sobre uma aula e outras aulas

Duas aulas de 50 minutos.

Minha provação, meu calvário foi tentar fazer com que os alunos (de 8º ano) conseguissem fazer um resumo de um texto do livro.

Foi uma forma de tentar fazer com que lessem o texto do livro – fundamental para a continuidade do trabalho, pois de nada adiantaria se não o lessem.

Como já pedi diversas vezes para lerem e não o fizeram, resolvi que fariam um resumo.

Ledo engano.

Sofrimento.

Iniciei eu mesmo o resumo para que pudessem ver como se faz (sim, não sabem).

Copiaram o que eu fiz no quadro e estacionaram.

Percebo que apenas uns dois ou três – de uma turma de quase 30 – se dão ao trabalho de ao menos tentar fazer.

Os outros?

Conversam, sem parar, sobre tudo – a festa de ontem, o namorado, o jogo…

Alguns não abrem nem o caderno. Brigo. Abrem o caderno, mas não fazem.

Aos poucos, muito aos poucos, alguns vão tentando fazer, vai saindo alguma coisa…

Como trabalham em grupo, outros que não fizeram por si copiam, mas nem todos, pois grande parte ainda fica com o caderno quase em branco, apenas com a cópia do quadro.

Acabam as duas aulas de 50 minutos e não conseguimos fazer um mísero resumo de um mísero texto de duas páginas de livro.

A culpa deve ser minha.

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira
Estafado

= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =

No Diário do Professor você encontra artigos e links sobre o dia-a-dia da Educação:

Planos de aula, Atividades, Práticas, Projetos, Livros, Cursos, Maquetes, Meio Ambiente… e muito mais!

Compartilhe!

2 comentários sobre “Resumo de texto: tarefa impossível – Reflexões sobre uma aula e outras aulas

  1. Caro Declev,

    Seu texto descreve exatamente o que acontece comigo e outros companheiros de magistério. Infelizmente parece não haver nenhum interesse dos nossos alunos pelo CONHECIMENTO…E continuamos reféns de discursos e práticas administrativas que desqualificam o potencial emancipador da educação – será que ainda é possível pensar assim???

Os comentários estão encerrados