Home » Educação » Reflexões e Desabafos » Violência escolar e conquista da paz – mais equívocos da nossa educação

Violência escolar e conquista da paz – mais equívocos da nossa educação

Começo este artigo fazendo algumas observações preliminares:

– SIM, sofremos com a violência nas escolas – mas a violência não está nas escolas, mas na sociedade, nos estádios, nos bares, nas ruas.

– SIM, os alunos estão, em certa medida, ultrapassando os limites.

– SIM, deve-se fazer algo – deixar ao laissez-faire não é a solução.

– Escola é, SIM, para EDUCAR e, nesse quesito, entra a educação em relação à violência.

Entendido isso, vamos à notícia que deu origem ao post:

Em Goiás, algumas escolas públicas foram repassadas para a administração da polícia militar para “conter a violência”.

Segundo a notícia, a “polícia impõe disciplina militar”.

Algumas pessoas com certeza acharão a notícia ótima, dizendo “é isso mesmo”, “é assim que se faz”, “essa é a solução para o Brasil” e baboseiras do tipo.

Eu considero que essas são pessoas que não pensam , não refletem, não estudam, não analisam e não olham todos os lados de uma determinada questão, pois que uma questão NUNCA tem apenas um viés, mas muitos. Como eu digo em minha tese, a educação é complexa.

Então, NÃO, esta não é a solução.

Esta é amesma lógica, por exemplo, das “pacificações” das favelas levadas à cabo pelo governo do estado do Rio de Janeiro: enfia-lhe pela garganda a repressão policial, sem investimento social ou em qualidade de vida.

A notícia é tão bizarra que eu teria um livro para escrever. Mas vou tentar ser sucinto e colocar meus pontos de vista justamente como “pontos”, pra ficar mais fácil e  menos enfadonho.

1 – Paz sem voz não é paz, é medo;

2 – A violênia está fora, mas adentra a escola por sujeitos que vivem fora (óbvio, não?);

3 – A paz e ordem mantidas com repressão e medo, não existem de fato. Uma vez cessada a repressão e medo, voltaria a violência;

4 – A repressão dentro da escola os fará não serem violentos lá fora? Eu acho que não. Neste caso, acho até que podem ficar ainda mais;

5 – A polícia militar que administra as escolas para conter a violência é a instituição mais violenta do Brasil. E a polícia militar de Goiás não foge à regra.

Ups! Quanto a esta questão, olha a contradição: colocar a polícia militar, a instituição MAIS VIOLENTA do Brasil, para acabar com a violência dentro das escolas!

Vejamos alguns exemplos de Goiás:

Escola e Violência

https://www.youtube.com/watch?v=R_c9ghNlglM

Então, é esta a instituição que pretende “acabar com a violência” nas escolas?!? Aqueles que “matam por satisfação”???

No mínimo, uma idiotice.

Mas, então, Declev, há outros caminhos?

Ora, é uma pergunta altamente retórica e, até mesmo, desnecessária. Basta pensar um pouco, basta pesquisar, ter vontade política e investir no que se deve investir: EDUCAÇÃO, e não repressão policial.

Posso, igualmente, oferecer uma série de exemplos práticos:

Agora, a antítese absoluta desta ignonímia:

“Depois de ser considerada uma das cinco piores escolas do estado de Massachusetts e chegar ao ponto de proibir os alunos de levar mochilas por medo de esconderem armas, a Orchard Gardens adotou medidas drásticas. Demitiu a maioria dos funcionários da segurança e investiu o dinheiro na contratação de professores de arte.”

Só um detalhe para finalizar: nada impede, entretanto, uma real parceria com a polícia, para se tratar dos casos reais de polícia.

Abraços,

Declev Reynier Dib-Ferreira
Chocado

About Declev Dib-Ferreira

Declev Reynier Dib-Ferreira é professor, biólogo, educador ambiental, especialista em EA pela UERJ, mestre em Ciência Ambiental pela UFF, doutor em Ciências pela UERJ.

Check Also

Aluno mata dois colegas em sala: Buylling ou cultura?

Um Aluno mata dois colegas em sala. Ele entrou na escola armado e atira em …