Home » Brasil dos Absurdos » Aluno mata dois colegas em sala: Buylling ou cultura?

Aluno mata dois colegas em sala: Buylling ou cultura?

Um Aluno mata dois colegas em sala. Ele entrou na escola armado e atira em diversos colegas, matando dois e ferido mais alguns.

Gostaria de pensar sobre o assunto, sem tentar simplificá-lo como estão fazendo. A mídia rapidamente parece culpar os colegas por meio do buylling que eles teriam cometido ao assassino.

Sim, buylling é horrível, cruel, inaceitável. Não estou aqui para minimizá-lo. Mas a reação ao buylling, se foi buyilling, poderia ter sido outra, se a educação e a cultura também fossem outras.

Uma criança que sofre buylling, em geral, fica acuada, separada, triste, amuada.

Então, o que leva um menino a pegar uma arma e matar outras pessoas? Afinal, quantas centenas ou milhares de pessoas não sofrem de buylling e não fazem isso?

Então, gostaria de pensar por outro aspecto e já vou logo avisando que este é um artigo de opinião, não jornalístico, que não tenho provas de nada e vou falar como se fosse um caso hipotético, ou seja, que pode ser verdade em muitos outros casos, não nesse, ou vice-versa.

Acho que  deu-se pouco destaque e pouca importância ao fato de o assassino ser filho de policiais militares. Pra mim pode ser sintomático.

O que é e o que representa no Brasil a instituição Polícia Militar?

Devemos lembrar que a polícia do Brasil é a que mais mata em todo o mundo. Leiam sobre isso, há inúmeros artigos na internet além deste já linkado acima.

Então, quais os valores da PM? Como trabalha a PM? Como a PM trata o povo? Como a PM resolve suas pendências? Como os futuros PMs são tratados, ensinados?

Com uma pesquisa simples também podemos saber algo sobre isso, não precisa acreditar em mim:

Chegamos, então, às perguntas: como esse menino foi criado, em que meio, em que cultura, quais valores, como foi ensinado a resolver conflitos? São muitas as questões.

Quantas vezes ele ouviu que “bandido bom é bandido morto”? E, pra ele, os que os fizeram sofrer eram o quê?

Quantas mortes já viu ou soube que ocorreram no dia-a-dia?

Quantas vezes já ouviu coisas como “tem que meter tiro nessa cambada”, “isso não é gente”, “tem que morrer mesmo”, “a solução é o paredão”, “a população de bem tem que andar armada” e outras pérolas deste tipo?

Quem são seus ídolos e das pessoas às quais convive?

A ditadura matou pouco? O erro dela foi torturar e não matar?

São apenas conjecturas, pensamentos. Nada é absoluto. Aliás, pode ser tudo ao contrário, afinal, não sei a história dele nem de seus pais. Eles podem ser exceção.

E este não foi o primeiro caso e, infelizmente, pode não ser o último; nem todos são filhos de policiais.

Mas, essas conjecturas podem trazer pistas à situação atual da nossa sociedade e nos fazer pensar em que tipo de sociedade queremos construir, independente da nossa área profissional.

Com mais armas? Com justiça pelas próprias mãos? Com linchamentos? Com a máxima “bandido bom é bandido morto”?

Afinal, então, quem são os bandidos? E se nós (ou nossos colegas de classe) formos os bandidos, morremos todos?

Aproveite, e leia esse relato:

Abraços,

Declev Reynier Dib Ferreira

About Declev Dib-Ferreira

Declev Reynier Dib-Ferreira é professor, biólogo, educador ambiental, especialista em EA pela UERJ, mestre em Ciência Ambiental pela UFF, doutor em Ciências pela UERJ.

Check Also

intervenção militar

Intervenção militar

Acho impressionante quem ainda defende uma intervenção militar no Brasil, especialmente se estudarmos a história …

2 comments

  1. Nelson Ricardo Da Costa e Silva

    Boa.

  2. Nelson Ricardo Da Costa e Silva

    https://oglobo.globo.com/sociedade/evitar-novas-tragedias-21979524 Antônio Góis, em O Globo.